Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Síndico dá a sua versão sobre episódios acontecidos no condomínio Mirante de Itaquá

O síndico João Marcelo Haffner entrou em contado com a GAZETA na tarde de sexta-feira (22), pedindo direito de resposta para dar sua versão sobre as ocorrências no Condomínio Mirante de Itaquaquecetuba também rebater a suspeita de que teria envolvimento profissional com a MRV Construtora, dona do empreendimento imobiliário (clique aqui e entenda o caso). “Não tenho vínculo e nem ligação nenhuma com a MRV”, afirmou. 

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

“Não tenho vínculo e nem ligação nenhuma com a MRV”, afirmou João

Da Redação / Foto: Bruno Arib

O síndico João Marcelo Haffner entrou em contato com a GAZETA na tarde de sexta-feira (22), pedindo direito de resposta para dar sua versão sobre as ocorrências no Condomínio Mirante de Itaquaquecetuba também rebater a suspeita de que teria envolvimento profissional com a MRV Construtora, dona do empreendimento imobiliário (clique aqui e entenda o caso). “Não tenho vínculo e nem ligação nenhuma com a MRV”, afirmou. 

Veja abaixo a “fala” do síndico que escolheu trechos da reportagens para explicar a sua posição no caso

Matéria: “Uma das ocorrências graves desse problema levou risco à vida de moradores do apartamento 104, no bloco 7, que pegou fogo devido a um curto circuito. Ninguém ficou ferido no incêndio, que foi controlado pelo próprio dono do apartamento.”

Reposta João: Nesta ocorrência o Ronda do Condomínio agiu rapidamente ajudando o morador em questão. Todo sistema de combate ao incêndio do Condomínio encontra-se em dia em perfeitas condições de uso, tanto que foi devidamente utilizado e conseguiu resolver esse evento de imediato, ou seja, o controle não feito somente pelo morador e sim o Condomínio prestou toda a assistência necessária para o controle do ocorrido.

Esclareço ainda que todo apartamento financiado pela Caixa Econômica Federal possui seguro da unidade, e em nenhum momento a unidade em questão apresentou qualquer prova de abertura do sinistro.

Ressalto que a unidade em questão somente após o dia do ocorrido entrou em contato com o síndico para informar sobre o caso e qual a medida deveria tomar, como foi dito pela mesma que não houve qualquer dano na estrutura do condomínio a recomendação deste síndico foi para que a mesma acionasse a MRV informando do ocorrido.

Matéria: “A empresa zerou a conta de alguns moradores e, de outros, multiplicou os valores. A minha não ultrapassa R$150,00, mas em setembro veio R$300,00. O detalhe é que alguns moradores, devido à alta tensão, receberam R$500,00 de crédito, enquanto outros, como foi o meu caso, além de não receberem nada, tiveram o valor da conta aumentado.”

Reposta João: Quanto aos problemas relacionados aos valores de contas de energia, é de conhecimento de todos os sucessivos aumentos de faturamento praticados pela ANEEL nestes últimos meses em virtude da crise hídrica que assola o país. As tratativas junto a concessionária são individuais, não temos qualquer informação oficial quanto ao assunto.

Quanto a esse assunto vale esclarecer que o Condomínio na figura do síndico não possui qualquer legitimidade para ingressar com reclamações individuais de cada apartamento, somente o possuidor do imóvel e titular da conta consegue buscar informações/protocolar reclamações junto à concessionária.

Esclarece ainda que todas as informações solicitadas e que possui o síndico na tentativa de auxiliar o morador é orientado sobre o que o mesmo pode fazer junto à concessionária, porém não trata-se de responsabilidade de nenhum síndico a resolução desse assunto, pois como dito acima é questão individual de cada unidade.

Matéria: “A gestora comercial Alessandra Silva de França, 33, também reclama dos valores elevados na conta de luz logo após a empresa ter feito “reparos” na instalação elétrica do condomínio. Ela, que mora no apartamento 406 do bloco 4, afirma que suas contas não ultrapassavam R$120,00 , e agora chegam no valor de R$200,00.”

Reposta João: Nunca houve qualquer reparo elétrico da concessionária no interior do condomínio. O único serviço realizado pela Concessionária foi o reajuste da carga elétrica enviada pelo transformador, pois a energia elétrica que deveria vir como 127V estava vindo 135V, ou seja, a Concessionária estava enviando carga de voltagem “maior”.

Matéria: “As reclamações no condomínio se avolumam e os moradores acusam omissão do síndico João Marcelo Haffner em ajudar na solução dos problemas que afetam a todos”.   

Reposta João: Nunca houve qualquer omissão nesse sentido, todos foram orientados a procurar o PROCON, abrindo reclamações e pedindo esclarecimentos, inclusive com comunicado enviado a todos. Muito pelo contrário sempre orientei a todos que me procuraram inclusive através de comunicados gerais através de portal oficial do condomínio, assembleias e etc.

Matéria: “Haffner não mora no condomínio e se apresenta como síndico profissional.”

Reposta João:  Eu não me apresento como síndico profissional, e sim, essa é minha profissão e atuo na região em diversos condomínios. Há uma extensa formação por trás dessa profissão, sendo minha empresa consolidada no mercado desde 2015. Inclusive me encontro no segundo mandato nesse Condomínio tendo trazido aos moradores diversas benfeitorias derivados de uma boa gestão financeira.

Matéria: “Existe a suspeita de que ele seja ligado à empresa que é dona do empreendimento, a MRV Construtora. “

Reposta João: Suspeita sem qualquer fundamento, pois se quer sei quem são os reais donos da MRV e nunca tivemos acesso a eles. Essa acusação quem fez terá que responder e comprovar na JUSTIÇA.

Matéria: “Sempre que é chamado para realizar assembleias visando encontrar uma solução aos inúmeros problemas verificados no local, o síndico não retorna as ligações feitas pelos moradores.”

Reposta João: Nunca houve qualquer pedido de assembleia para resolução de problemas pessoais sobre esse assunto, até porque esse assunto em específico não tem como ser tratado em assembleia, é uma questão que precisa ser tratada via PROCON, Ouvidoria da ANEEL e etc como sendo o responsável pela unidade juntamente com os órgão citados.

Matéria: O jornal também tentou e não conseguiu falar com o síndico para saber por que ele “evita” o contato com os moradores.

Reposta João: Outra inverdade, que estou sempre no condomínio, reuniões com o conselho e atendimento a moradores. Inclusive o morador desta matéria que faz parte do Conselho do Condomínio esteve em reunião de Conselho recentemente e em momento algum me falou sobre esta matéria em questão ou que eu teria que dar qualquer tipo de resposta que não compete ao Condomínio.

Inclusive informo nessa ocasião que esse morador sempre foi orientado de qual forma deveria proceder perante esses assuntos.

VEJA MAIS:
Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade