Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Qualidade do serviço de tapa-buraco da Sabesp irrita vereadores do Alto Tietê

Câmaras municipais tratam dos prejuízos ao asfalto e da falta de água nos municípios
Foto: Divulgação

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

Na continuação da série de reportagens sobre a atuação da Sabesp no Alto Tietê, um levantamento feito pela GAZETA aponta que vereadores de várias cidades da região onde a empresa atua tem apresentado requerimentos e moções em protesto pela qualidade dos serviços prestados pela autarquia. Um dos principais alvos dos representantes do povo nas Câmaras Municipais, além da falta de água, é o serviço de tapa-buraco nas rujas e avenidas, realizado depois de qualquer manutenção de água ou esgoto.

Em pelo menos cinco das nove Câmaras Municipais, a insatisfação da população chegou nas tribunas por meio das proposituras dos parlamentares. São elas Ferraz de Vasconcelos, Guararema, Itaquaquecetuba, Santa Isabel e Suzano.

De acordo com as Casas, as críticas ocorrem principalmente em relação aos danos causados por obras da Companhia na malha asfáltica. São os exemplos de Santa Isabel e Suzano, que registraram mais de uma dezena de requerimentos acerca do tema.

As críticas, porém, se estendem a outros assuntos. Em Ferraz, por exemplo, além do “tapa-buracos”, os vereadores “têm criticado a péssima qualidade dos serviços executados por empresas terceirizadas da Sabesp na cidade”, como explicou a assessoria de Imprensa da Câmara, em nota. Em Guararema, por outro lado, não houve questionamentos em relação às obras, mas sobre “a constante falta d’água no município”.

Investigação

Na Câmara de Itaquá, os vereadores chegaram a realizar uma CEI (Comissão Especial de Inquérito), em 2021, para investigar os serviços da Sabesp. Depois de 180 dias de trabalhos, o relatório apresentado pelos vereadores concluiu haver “graves falhas na recuperação do asfalto após serviços de manutenção realizados por empresas terceirizadas pela Companhia”, além de duas obras atrasadas.

A Câmara de Arujá foi a única que disse não haver proposituras acerca do tema registradas no sistema legislativo.

Procurados pela reportagem, as Câmaras de Biritiba Mirim, Poá e Salesópolis não responderam aos questionamentos até o fechamento desta edição. Mogi das Cruzes não foi incluída por não contar com os serviços da Sabesp, sim do Semae (Serviço Municipal de Águas e Esgotos de Mogi das Cruzes).

 

 

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade