Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Policia de Mogi prende pai suspeito de envolvimento no assassinato do próprio filho em Salesópolis

Acusado de participar do estupro, tortura e assassinato do filho de seis anos, Thiago Alves da Silva Duarte foi preso na Zona Norte de São Paulo

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

Policiais do SHPP (Setor de Homicídios e Proteção à Pessoa) de Mogi das Cruzes prenderam, nesta segunda-feira (12), Thiago Alves da Silva Duarte, acusado, junto da esposa, de matar o próprio filho de apenas seis anos, em outubro de 2022. O crime aconteceu em Salesópolis.

De acordo com o delegado do SHPP de Mogi, Rubens José Angelo, as investigações iniciais indicavam a participação apenas da mãe, Sara, que foi presa em flagrante. Depois de tranferidas as investigações para “as mãos” mogianas, constatou-se, com base nas provas periciais e testemunhos, a participação do pai, mesmo que por omissão.

“Uma das suspeitas, a mãe, foi presa em flagrante, só que as investigações seguiram para ver se havia a participação do pai, só que, em determinado momento da investigação, quando se entendeu que ele não atuou para defender o filho quando aconteceu o caso, ele ficou foragido”, explicou.

Delegado do SHPP de Mogi, Rubens José Angelo / Foto: Bruno Arib

Segundo o delegado, Thiago se escondeu em diversos locais nestes últimos seis meses, tendo chegado inclusive a Foz do Iguaçu, no Paraná, para tentar fugir em direção ao Paraguai, mas sem sucesso. A caçada teve fim quando Duarte foi capturado no bairro Vila Nova Cachoeirinha, Zona Norte de São Paulo.

Segundo o delegado, foi necessário o uso de recursos tecnológicos para encontrar o paradeiro do suspeito.

CRUELDADE – Ocorrido em outubro de 2022, o assassinato de Thiago Alves da Silva Duarte Junior, de seis anos, esta repeleto de detalhes obscuros. De acordo com o delegado, a criança foi estuprada e torturada antes de ter sua vida ceifada.

Imagens fortes, às quais a GAZETA teve acesso, mostram o corpo da criança empalado com gravetos no ânus e na boca.

VERDADEIRO OU FALSO? – Depois de ocorrido o caso, circularam na imprensa e nas redes sociais uma série de informações inverídicas acerca dele. As principais são de que a mãe teria cometido o crime sozinha como uma forma de impedir o pai de requerer a guarda da criança em caso de separação do casal, e que tudo teria acontecido em um ritual obscurantista de uma seita.

A primeira afirmação foi parcialmente desmentida à GAZETA pelo delegado. De acordo com ele, a hipótese de envolvimento do pai no crime acaba por descaracterizar a teoria. No entanto, por ainda não se saber com profundidade a motivação, ainda existe a possibilidade.

A segunda hipótese segue o caminho da primeira: não há elementos para confirmá-la, mas também não há para descartá-la.

“A gente não pode ser taxativo e dizer qual a motivação, a gente não sabe se o pai já vinha estuprando o filho, se já era realizado alguma coisa, se foi vingança, se ela teria surtado, são várias possibilidades”, disse.

Rubens inclusive não descartou a participação de terceiros no crime.

“São apenas hipóteses, elocubrações, que são levantadas e nós não sabemos. Somente eles poderão revelar a verdade, nós estamos tentando montar o quebra-cabeça, mas os participantes do crime estão presos, o que é o mais importante”, concluiu.

Por Guilherme Alferes e Will SIqueira*

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade