Pedestres e motoristas reclamam de passagens de nível que atrapalham a mobilidade em Mogi

Os túneis construídos na Praça Sacadura Cabral, no Centro de Mogi das Cruzes, aliviaram a tensão do trânsito naquele trecho melhorando o tráfego a motoristas que buscam o outro extremo da cidade, ou mesmo sair dela acessando a rodovia Mogi-Dutra (atualmente envolvida na polêmica do pedágio), sem ter que enfrentar as filas ocasionadas pela passagem de nível.

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

Paradas obrigatórias para o tráfego de composições ferroviárias incomodam mogianos 

Por Aristides Barros / Fotos: Bruno Arib

Os túneis construídos na Praça Sacadura Cabral, no Centro de Mogi das Cruzes, aliviaram a tensão do trânsito naquele trecho melhorando o tráfego a motoristas que buscam o outro extremo da cidade, ou mesmo sair dela acessando a rodovia Mogi-Dutra (atualmente envolvida na polêmica do pedágio), sem ter que enfrentar as filas ocasionadas pela passagem de nível.

Porém, a obra feita na gestão do ex-prefeito e atual deputado federal Marco Bertaiolli (PSD) tirou o peso do ombro dos motoristas deixando o fardo aos pedestres que ficam “engasgados” na passagem de nível, sendo obrigados a permanecer parados até que os trens passem nos dois sentidos das estações ferroviárias, Mogi-Estudantes e vice-versa.

Uma passarela metálica que escoava o trânsito de pedestres foi desativada, e sem o acesso o jeito é esperar.

“Tinha de construir outra passarela. Incomoda bastante a gente ter de ficar igual estátua, parada no meio do caminho até esses trens passarem”, diz a dona de casa Ana Aparecida, 70 anos, que mora em Mogi desde que nasceu. “Seria uma boa voltar a ter a passarela”, diz se referindo ao acesso antigo.

Vida interrompida

A cerca de uns 100 metros do ponto de suplício dos pedestres são os motoristas que reclamam da passagem de nível existente no cruzamento da Rua Presidente Campos Salles com a Avenida Governador Adhemar de Barros. Nos horários de pico, a passagem de trens complica todo o trânsito naquela região.

“Eu vejo a necessidade da construção de um túnel ou um viaduto. Tem dia que isso aqui vira um inferno e o risco de acidentes é alto”, afirma o motoboy Geremias Alves Serqueira, 40. “Mogi não é mais aquela cidade típica do interior, aumentou demais e progrediu bastante. O trânsito é intenso e a gente não sabe como os engenheiros não percebem a realidade do município, parece que eles pararam no tempo. É lógico, nítido e muito óbvio que aqui seria necessário um túnel ou um viaduto para melhorar o trânsito”, afirma.

Responsabilidade

Bertaiolli, após a conclusão dos acessos viários, entregou a obra afirmando ter feito a sua parte enquanto https://portalgazetaregional.com.br/wp-content/uploads/2023/06/ed440.pngistrador do município consciente de que a cidade precisava de melhor mobilidade, e por isso fez o trabalho. A outra parte, que cabia à CPTM, ainda aguarda uma solução.

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade