Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Decisão judicial aproxima concessão e Sabesp anuncia lucro de R$ 823 milhões

Em meio a processo de privatização, empresa tem crescimento de lucro e valor de ações na bolsa de valores
Analistas atrelam bons resultados financeiros a avanço em processo de concessão - Foto: Divulgação

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

Com seu nome como um dos mais mencionados no debate público paulista nos últimos anos, a Sabesp vem conseguindo atingir, com louvores, seus principais objetivos. Na noite da última quinta-feira (9), por exemplo, a empresa publicou os resultados do primeiro trimestre deste ano, finalizado com um lucro 10,2% maior que no mesmo período do ano passado. Nos primeiros três meses de 2024, a empresa lucrou R$ 823 milhões.

Desde o início da nova gestão, em janeiro de 2023, quando o recém-empossado governador Tarcísio de Freitas (Republicanos) nomeou o engenheiro André Salcedo como presidente da companhia, as ações da Sabesp na B3, a bolsa de valores brasileira, acumulam uma valorização de mais de 56%. No período, o valor da ação pulou de R$ 52,19 para R$ 81,44.

De acordo com analistas de mercado, estes resultados positivos se dão na esteira do processo de concessão da empresa à iniciativa privada, que vem avançando cada vez mais. Um enorme passo rumo a este objetivo foi dado na última terça-feira (7), quando o TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), por decisão de seu presidente, o desembargador Fernando Antônio Torres Garcia, derrubou a liminar que havia suspendido a aprovação da privatização na capital paulista, que corresponde a cerca de metade do faturamento da empresa.

A proposta havia sido aprovada na semana anterior pela Câmara Municipal paulistana com 37 votos favoráveis e 17 contrários, mas a juíza Celina Kiyomi Toyoshima, da 4ª Vara de Fazenda Pública, determinou que o processo legislativo não respeitou algumas regras, como a realização de audiências públicas e apresentação de laudo de impacto orçamentário.

Na decisão do desembargador, ele diz que, por se tratar de uma lei aprovada, a anulação só poderia ser feita por meio de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade.

Com a justiça garantindo o avanço do projeto, a expectativa é que a venda das ações que hoje pertencem ao governo paulista ocorra no mês de junho. Esta informação partiu do próprio presidente da empresa.

Segundo reportagem publicada pelo portal Terra, André Salcedo deu tal declaração durante conferência com analistas e jornalistas na manhã desta sexta-feira (10). “Pode ser concluída no próprio mês de junho”, previu.

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade