Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Saúde inaugura ‘cabo de guerra’ entre pré-candidatos a prefeito de S. Isabel

Após embate entre pré-candidatos, a Gazeta foi à UPA ouvir os usuários do serviço
Reportagem esteve na UPA de Santa Isabel e confirmou reclamações de demora junto aos usuários do serviço / Foto: Cecilia Siqueira

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

Os eleitores de Santa Isabel já começaram a sentir um pouco do clima que deverá prevalecer quando a campanha eleitoral começar, em agosto. Nesta semana, ainda durante o período de pré-campanha, aconteceu um – se não o primeiro, o mais importante até o momento – embate direto entre os principais pré-candidatos ao cargo de prefeito. Tudo por causa da qualidade da saúde oferecida na cidade.

O ex-vereador Cleber Kerchner (PL), o Clebão, foi o primeiro a sair em defesa da população ao postar um vídeo em suas redes sociais responsabilizando o atual prefeito e pré-candidato a reeleição, Carlos Chinchila (PODE), que é médico, pelo que ele chamou de “caos da saúde isabelense”. 

No sábado (22) à noite, usuários que utilizavam a UPA da cidade procuraram Clebão para reclamar do descaso e da demora no atendimento. Chinchilla esteve na mesma noite na unidade e, em outro vídeo, minimizou as reclamações dos pacientes, atacando as declarações do adversário.

PACIENTES – Diante da troca de farpas, a reportagem da GAZETA foi até a UPA na manhã de quarta-feira (26), para ouvir usuários sobre a qualidade do serviço prestado. Na ocasião, não havia lotação no local e o atendimento fluía bem. Mas, a operadora de telemarketing Jéssica Silva, 22, garantiu que nem sempre é assim: “Já aconteceu de eu vir aqui com muita falta de ar e não ser atendida, apesar de que hoje está bom.”

Perguntada se, de um modo geral, avaliava o atendimento de forma positiva ou negativa, a jovem relembrou a história de sua tia, que, recentemente, após cair de uma escada, recorreu à UPA três vezes no mesmo dia e, sem ter tido a atenção necessária, faleceu em casa em decorrência das complicações da queda. “Ela passava mal, vinha e mandavam ela para casa. Não seguraram ela”, conta.

A doméstica Gracilene Fortunato, 36, teve experiências melhores, mas com uma ressalva feita por ela própria: “Quando o paciente é preferencial”. Ela explica que a maior parte de suas idas à UPA é em busca de atendimento pediátrico para sua bebê e, nesse caso, ela costuma ser atendida mais rapidamente, mas quando precisa de atenção para si mesma, a realidade é outra.

“Sem ser preferencial, tem uma demora, as vezes até com poucos pacientes esperando. Eu já cheguei a esperar três horas para ser atendida. A minha experiência com ela [a filha] tem sido boa, mas o atendimento comum demora mesmo”, disse.

Mesmo aqueles que aprovam o serviço não negam a demora. É o caso do autônomo Moacir Donizete de Carvalho, 62, que classifica como normal o longo período de espera. “Demora, mas até um hospital particular as vezes demora. Igual na pandemia, estava lotado, tem que demorar também. Para mim, não tem que reclamar”, disparou.

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade