Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Em cinco anos, número de homicídios despenca no Alto Tietê, diz Ipea

Comparativo entre os Atlas da Violência de 2019 e 2024
Ação contou com colaboração da Força Tática e ROCAM dos batalhões do Alto Tietê, com reforço do 6º BAEP e do CPA/M-6, da região do ABCD
Foto: Divulgação

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

Em cinco anos, todos os municípios do Alto Tietê com mais de 100 mil habitantes tiveram redução no número de homicídios por cem mil habitantes. A constatação foi possível comparando os Atlas da Violência de 2024 e de 2019, ambos divulgados pelo IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

O caso mais evidente dessa redução é de Poá que, em 2019, aparecia como o município com 37 homicídios, somando os registrados e os não registrados. O número colocava a cidade com uma média de 18,5 homicídios por 100 mil habitantes e o pior desempenho no Alto Tietê.

No Atlas divulgado nesta semana, Poá aparece com o melhor desempenho, registrando apenas seis homicídios registrados e não registrados e um índice de 5,8 assassinatos a cada 100 mil habitantes. A cidade, inclusive, está entre as 20 do Brasil com menos casos.

O desempenho de Itaquaquecetuba também melhorou. Embora a cidade seja, no Alto Tietê, a com maior índice (12,2 assassinatos por 100 mil habitantes) no Atlas de 2024, o quadro melhorou em relação ao estudo de cinco anos atrás. No Atlas 2019, Itaquá aparecia com um índice de 18,3. Em números absolutos, saiu de 66 para 45 mortes.

Suzano também teve uma queda acentuada. Passou de 53 para 32 homicídios anuais e uma redução no índice de 18,3 para 10,4 mortes por 100 mil habitantes. Ferraz de Vasconcelos saiu de 28 para 19 em mortes anuais e índice caindo de 14,8 para 10,6 em cinco anos. Já Mogi das Cruzes, em 2019, apresentava 37 assassinatos no ano, e caiu para 27, enquanto o índice baixou de 8,3 para 6 homicídios por 100 mil habitantes.

Vale ressaltar que a base de dados do Atlas de 2019 são os homicídios cometidos em 2017. E a base de dados de 2024, são os números registrados em 2022.

Foto: Divulgação

 

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade