Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Universidade é, sim, para todos!

Nessa semana, mais um aliado do governo Bolsonarista polemizou na mídia com suas declarações, como já tem sido tradição, mas, dessa vez, a série de declarações intrigantes veio de nada mais nada menos que Milton Ribeiro, Ministro da Educação, dirigente de uma pasta marcada por falhas e uma pauta ideológica um tanto quanto confusa.

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

Por Professor Marcelo M Silva / Arte: Giovanna Figueiredo

Nessa semana, mais um aliado do governo Bolsonarista polemizou na mídia com suas declarações, como já tem sido tradição, mas, dessa vez, a série de declarações intrigantes veio de nada mais nada menos que Milton Ribeiro, Ministro da Educação, dirigente de uma pasta marcada por falhas e uma pauta ideológica um tanto quanto confusa.

Ao realizar declarações no programa Sem Censura, da TV Brasil:
“Com todo respeito que tenho aos motoristas, é uma profissão muito digna, mas tem muito engenheiro, muito advogado dirigindo Uber porque não consegue colocação devida. Mas se ele fosse um técnico em informática estaria empregado, porque há uma demanda muito grande”;

“Então acho que o futuro são os institutos federais, como é na Alemanha. Na Alemanha são poucos os que fazem universidade, universidade na verdade deveria ser para poucos nesse sentido de ser útil à sociedade.”; e ainda

“O que também eu acho justo, considerando que os pais desses meninos tidos como filhinhos de papai são aqueles que pagam os impostos no Brasil, que sustentam, bem ou mal, a universidade pública”, afirmou.

No mínimo, foram declarações alucinadas que não deveriam jamais vir de um ministro em um país que ainda se arrasta para ter uma educação pública igualitária e de qualidade para todos. Isso é mais um exemplo de que, mais do que declarações ao vento, é necessário que pessoas estejam preparadas tecnicamente para assumir essas posições. Não podemos elitizar a educação, mas devemos pautar a educação como algo inerente à dignidade da pessoa humana em qualquer situação.

Ao invés de declarações, precisamos de mais ações. Melhorar a educação desde a pré-escola é tornar um país desenvolvido e digno para seu povo; aliás, quem paga mais impostos nesse país são os pobres e a classe média, que são tributados diversas vezes, pois o papai dos filhinhos não teria recursos financeiros suficientes caso seus trabalhadores não produzissem bens para fazer frente aos impostos.

Em minha opinião, se é para falar bobeira, é melhor manter o silêncio.

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade