Prefeitura de Itaquá é proibida, pela justiça, de pagar o adicional de Nível Universitário aos servidores

A Prefeitura de Itaquaquecetuba está proibida de efetuar o pagamento do adicional NU (Nível Universitário) aos servidores públicos municipais. A decisão foi tomada pelo Tribunal de Justiça, por meio de uma liminar, mas reflete um problema da gestão passada.

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

A decisão foi tomada pelo Tribunal de Justiça, por meio de uma liminar, mas reflete um problema da gestão passada

Da Redação / Foto: Divulgação

A Prefeitura de Itaquaquecetuba está proibida de efetuar o pagamento do adicional NU (Nível Universitário) aos servidores públicos municipais. A decisão foi tomada pelo Tribunal de Justiça, por meio de uma liminar, mas reflete um problema da gestão passada.

A Administração Municipal já está em contato com o Departamento Jurídico para revogar a liminar da Justiça a pedido do Ministério Público do Estado de São Paulo, mas por ora, encontra-se proibida em realizar o pagamento referente à NU dos servidores.

De acordo com o Tribunal de Justiça de São Paulo, esta gratificação é inconstitucional, e ainda, pode punir a Prefeitura Municipal de Itaquaquecetuba e o prefeito municipal se houver o pagamento em folha aos servidores.

Em 2019, houve uma ação direta de inconstitucionalidade questionando o adicional de nível universitário previsto no artigo 148, da Lei Complementar 64, de 26 de dezembro de 2002, mas ainda de acordo com o Ministério Público, a gestão passada insistiu em burlar a legislação e manteve o pagamento de maneira irregular, ainda que haja Lei Complementar 316 de 02 de dezembro de 2020.

A inconstitucionalidade aplica-se, segundo o Tribunal de Justiça, porque permite o adicional de qualificação contrariando a legislação do Estado de São Paulo que são aplicáveis aos municípios. O Tribunal de Justiça complementa a justificativa de inconstitucionalidade porque permite, por meio de textura genérica, indistinta e universal, a concessão do adicional para servidores públicos investidos em cargos de provimento efetivo, ainda que não haja aderência entre o nível de formação e o plexo de atribuições de seu cargo, o que viola os princípios da moralidade, igualdade, razoabilidade e interesse público, de acordo com o artigo 111, da Constituição Estadual, além do artigo 128.

Por fim, a Prefeitura Municipal de Itaquaquecetuba se compromete com todos os servidores públicos a recorrer a todas as instâncias da justiça para que esse direito não seja retirado de todos os funcionários que se prepararam tanto e investiram na sua carreira profissional para obter essa gratificação.

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade