Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Os desafios das equipes do SAMU de Mogi das Cruzes frente à pandemia da Covid-19

A pandemia causada pelo SARS-Cov-2 enfrentada em todo mundo trouxe uma nova realidade e impôs mudanças nos diversos setores. Sofremos um impacto em áreas sociais, econômicas, políticas, mas principalmente na saúde.

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

Os colaboradores do SAMU Regional 192 Mogi das Cruzes têm se dedicado intensamente à luta contra a Covid

Da Redação / Foto: Bruno Arib

A pandemia causada pelo SARS-Cov-2 enfrentada em todo mundo trouxe uma nova realidade e impôs mudanças nos diversos setores. Sofremos um impacto em áreas sociais, econômicas, políticas, mas principalmente na saúde.

Quando no início de 2020 o mundo foi informado sobre um novo vírus que estava causando uma “doença misteriosa” que afetava os pulmões, todos os serviços de saúde entraram em estado de alerta e começaram a se preparar para enfrentar uma doença nova e desconhecida, e essa foi a realidade enfrentada pelas equipes do SAMU 192 de Mogi das Cruzes.

Mas como se preparar para algo novo e desconhecido? Resposta difícil! Mas o que vimos foi a movimentação entre os diversos profissionais em tentar buscar o máximo de informações sobre esse novo vírus, e junto com a empresa que sempre nos proporcionou condições, montar um protocolo que garantisse não só segurança aos profissionais, mas também segurança e qualidade aos pacientes atendidos pelo serviço.

Na história da humanidade muitas datas são lembradas, umas por fatos bons e outras por fatos que gostaríamos de esquecer! Talvez o dia 26 de fevereiro de 2020, dia em que foi confirmado o primeiro caso de Covid-19 no Brasil, fique guardado em nossas memórias. Não por ser o início de uma pandemia no país, mas por ter sido o dia em que mostramos o quanto nossas equipes de saúde estão preparadas para se adaptarem e enfrentarem as dificuldades que viriam.

Viver um momento de pandemia é desafiador para todos, e principalmente para os profissionais da saúde, a chamada “linha de frente”. E isso não está sendo diferente no serviço realizado pelo SAMU.

Desde o início nos preparamos para enfrentar o desconhecido, pois enquanto nas unidades de saúde eram montados setores de isolamento, nós iríamos para as casas das pessoas!

Os casos começaram a aumentar, os números começaram a ganhar nomes, até que tivemos nosso maior impacto, perdemos um colega que, assim como todos, estava na linha de frente, correndo para atender as ocorrências que não paravam de entrar em nossa regulação.

Assim como em outros serviços de saúde a nossa realidade não foi muito diferente. Tivemos um aumento de mais de 300% no número de atendimentos a pacientes com suspeita ou confirmação de Covid, e isso sem contar com as demais ocorrências que não diminuíram. As equipes começaram a apresentar sinais de cansaço, não só físico, mas também psicológico, porém a vontade de ajudar e a resiliência adquirida pelas equipes nos fez superar as adversidades e continuar fazendo o nosso melhor.

Com 100% do efetivo vacinado, SAMU mantém cuidados com a equipe

Fomos obrigados a nos adaptar! A regulação passou a gerenciar não somente as ocorrências, mas também para onde os pacientes seriam encaminhados já que todas as unidades estavam sobrecarregadas, além de atenderem e esclarecerem dúvidas das pessoas quanto à Covid.

As equipes passaram a adotar protocolos de segurança mais rigorosos, com equipamentos de proteção individual e higienização das viaturas redobrados.

Após a chamada “primeira onda”, quando os casos pareciam estar diminuindo, mantivemos nossa atenção e seguimos com os cuidados adotados desde o início da pandemia, até que novamente a doença mostrou sua agressividade e os casos voltaram a subir. Nessa fase enfrentamos o pior! Hospitais lotados, unidades de saúde começando a ter falta de materiais e medicamentos, equipes cansadas, noites em claro fazendo as transferências de pacientes graves entre as unidades e dificuldade de encaminhar os doentes devido à falta de vagas. Chegamos a ficar 26 dias consecutivos com taxa de ocupação nos hospitais acima dos 100%, porém mais uma vez a união entre coordenação, equipes assistenciais e https://portalgazetaregional.com.br/wp-content/uploads/2023/06/ed440.pngistração fez com que pudéssemos superar os desafios.

A pandemia não acabou, e não sabemos quando vai acabar, mas enquanto durar, por mais adversidades que possam aparecer, por mais cansados que possamos estar, estaremos preparados, pois uma certeza nos move: a de que um dia tudo isso vai passar!

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade