Militar vira réu por tortura e estupro de militante política durante a ditadura

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

Sargento reformado é acusado de sequestrar, torturar e estuprar, ex-dirigente de organização guerrilheira na Casa da Morte, em Petrópolis, no Rio de Janeiro

Da Redação / Fotos: Reprodução

O Regional Federal da 2ª Região manteve a acusação contra o sargento reformado Antônio Waneir Pinheiro de Lima, codinome Camarão, acusado do sequestro, tortura e estupro de Inês Etienne Romeu, na Casa da Morte, em Petrópolis, durante a ditadura militar.

Em 2019, a Justiça Federal recebeu a denúncia contra “Camarão”, como era chamado o sargento, tornando-o réu naquele que foi o primeiro processo criminal de estupro aberto contra militares por crimes cometidos durante o regime militar. À época, a desembargadora federal Simone Schreiber afirmou haver “indícios suficientes de autoria e materialidade dos fatos” contra o ex-militar.

O argumento que embasa a decisão do TRF-2 é que, apesar da Lei da Anistia ter sido declarada constitucional pelo Supremo Tribunal Federal, ela viola disposições da Convenção Americana de Direitos Humanos (CADH), da qual o Brasil é signatário. “Os crimes contra a humanidade não são alcançados pela prescrição e nem pela anistia”, disse.

Esse posicionamento não é majoritário dentro do judiciário. Apesar dos crimes hediondos cometidos contra Inês e outros milhares de brasileiros e brasileiras durante os 21 anos de ditadura, o posicionamento da justiça brasileira, em geral, sempre foi de silêncio.

Inúmeros acusados de sequestro, tortura, assassinato e ocultação de cadáveres continuam livres, enquanto outros morreram sem nunca sentar no banco dos réus.

Casa da Morte de Petrópolis: retrato dos crimes da ditadura

A Casa da Morte, como ficou conhecido o imóvel localizado à Rua Arthur Barbosa, nº 120, no bairro de Caxambu, em Petrópolis (RJ), funcionou clandestinamente, durante os anos 1970, como local de tortura e assassinato de presos políticos.

Coordenado pelo Centro de Informações do Exército (CIE), o lugar, também chamado de “Casa dos Horrores”, só ficou conhecido em 1979, após a denúncia feita por Inês Etienne Romeu, ex-dirigente da VAR-Palmares, que ficou presa no local por 96 dias.

“Durante este período fui estuprada duas vezes por Camarão e era obrigada a limpar a cozinha completamente nua, ouvindo gracejos e obscenidades, os mais grosseiros”, disse Inês, em depoimento à Comissão da Verdade.

Ela, que faleceu em 2015, foi a única sobrevivente da Casa da Morte de Petrópolis. Ao menos 18 pessoas foram assassinadas ali e seus corpos continuam desaparecidos, segundo o MPF.

Inês Etienne foi torturada por 96 dias na “Casa da Morte”, em Petrópolis (Foto: CNV)

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade