Gestão Boigues vai inaugurar o segundo serviço para Covid em apenas 100 dias de gestão

Com a terceira maior posição no número de casos confirmados de Covid-19 e óbitos causados pela doença no Alto Tietê, Itaquaquecetuba aposta na inauguração do seu novo Hospital de Campanha, prevista para ocorrer na quarta-feira (21), para melhorar a taxa de recuperados pela infecção na cidade. O espaço, que vai funcionar no Ginásio de Esportes da Vila Japão, será a segunda unidade de tratamento de casos de Covid inaugurada em 100 dias de gestão do prefeito Eduardo Boigues (PP).

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

Secretário de Saúde garante que a Pasta terá a mesma agilidade ao longo de todo o mandato do prefeito

Por Lailson Nascimento / Foto: Bruno Arib

Com a terceira maior posição no número de casos confirmados de Covid-19 e óbitos causados pela doença no Alto Tietê, Itaquaquecetuba aposta na inauguração do seu novo Hospital de Campanha, prevista para ocorrer na quarta-feira (21), para melhorar a taxa de recuperados pela infecção na cidade. O espaço, que vai funcionar no Ginásio de Esportes da Vila Japão, será a segunda unidade de tratamento de casos de Covid inaugurada em 100 dias de gestão do prefeito Eduardo Boigues (PP).

Na quinta-feira (5), o secretário municipal de Saúde, Edson Rodrigues, o Edson da Paiol, acompanhou a equipe de reportagem da GAZETA em uma visita ao novo Hospital de Campanha. Segundo ele, a estrutura utilizada no local é o que há de melhor no mercado.

“Teremos um total de 60 leitos, sendo 20 de UTI, 20 de tratamento semi-intensivo e 20 de enfermaria. O funcionamento vai ser de modo gradual, como qualquer hospital, que depende de ajustes para atender 100%. São leitos individuais, raio-x, tomografia, laboratório 24 horas, farmácia, ambulatórios médicos, uma referência no Alto Tietê.”

Ainda segundo o chefe da Pasta, o espaço representará custo zero para a prefeitura, uma vez que a https://portalgazetaregional.com.br/wp-content/uploads/2023/06/ed440.pngistração municipal já possui R$ 1,4 milhão do Governo Federal e o prefeito conseguiu mais R$ 4,3 milhões junto ao secretário Estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi. O dinheiro será suficiente para bancar os três meses em que a OSS (Organização Social de Saúde) ficará responsável pela gestão do serviço.

“Vai ser o Hospital de Campanha com menor custo do Alto Tietê e talvez do Brasil, porque conseguimos fazer com base na tabela SUS. Uma estrutura bem montada, com salas individualizadas, leitos de enfermaria com oxigênio, ar comprimido e vácuo, o semi-intensivo vai ter bomba de infusão e também ventiladores, ventiladores novos, nunca usados, e isso nos deixa muito satisfeitos.”

Apesar de o funcionamento ser 24 horas, o hospital não atenderá de portas abertas, pois os pacientes serão encaminhados pelos outros serviços que já recebem a demanda: UPA do Jardim Caiuby, o Centro de Saúde 24h e a Central de Atendimento Covid-19.

Questionado se a população pode esperar a mesma agilidade no restante do mandato, Paiol concluiu: “A gente já provou o que a gestão quer. Temos vários projetos e vamos superando a questão da baixa arrecadação. Os próximos objetivos são a abertura de um CAPS e a ampliação dos horários de atendimento nas unidades de saúde, no sentido de reduzir filas de espera. Precisou do médico, será na hora. Esse vai ser o nosso legado.”

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade