Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Demora no atendimento gera reclamações de pessoas que levam pacientes a UPA do Rodeio, em Mogi

A UPA do bairro do Rodeio, em Mogi das Cruzes, é duramente criticada por pessoas que levam parentes ou conhecidos para receber socorro médico no local - que é gerido pela OSS (Organização Social de Saúde) Fundação do ABC.

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

Críticas são sobre a forma como são atendidos, quando são, e a longa espera por informações

Por Aristides Barros / Foto: Bruno Arib

A UPA do bairro do Rodeio, em Mogi das Cruzes, é duramente criticada por pessoas que levam parentes ou conhecidos para receber socorro médico no local – que é gerido pela OSS (Organização Social de Saúde) Fundação do ABC.

As reclamações vão desde a demora no atendimento, ao longo tempo de permanência no local sem que apareça ninguém para prestar informações sobre a pessoa atendida, ou sequer se a mesma está recebendo atendimento.

Na avalanche de queixas surgem denúncias de mau atendimento, como relatado pela universitária Luana dos Santos, que na noite de sábado para domingo (6) levou sua avó Maria Lúcia dos Santos, 71 anos, na UPA. “Ela estava com a pressão alta, chegamos lá e demoraram para chamá-la para a sala do médico. Mesmo depois, ela não foi medicada e também não passaram nenhuma receita. Aí levamos ela para outra UPA da cidade”, disse a universitária.

Ela contou que o mau atendimento à sua avó ocorreu sob a alegação de que a UPA estava sendo lavada e ainda acrescentou que, para aumentar o descaso com as pessoas, viu um médico dedilhando um celular. “Corre mais risco é quem vai naquele lugar precisando de ajuda”, disse.

Devido à pandemia, a recomendação é que acompanhantes de pacientes os aguardem do lado de fora para evitar aglomerações nas unidades de saúde. O mesmo vale para a UPA do Rodeio. Todavia, sem poder entrar, eles ficam sem qualquer informação acerca da pessoa que levaram para ser atendida no local.

Sem contato

O técnico em enfermagem Jonathan Alves de Campos, 20, ficou das 12 horas até às 17 horas esperando que sua mãe fosse atendida. Nas cinco horas em que ficou no local, não recebeu nenhuma informação se ela, que foi para a unidade médica sentindo dor na garganta e nas costas, tinha sido atendida ou não.

Como é profissional da saúde – trabalha na cidade de Ferraz de Vasconcelos -, fez críticas à UPA do Rodeio.

“Olha, a gente está acostumado com essa situação, mas em Ferraz o tempo de espera não é tão prolongado assim. Atendemos com rapidez, até para evitar as aglomerações. Minha mãe ainda está esperando atendimento. Aqui é lento e a unidade está muito cheia, é complicado”, disse.

A dona de casa Maria Giane Silva Costa, que sofre de cólica renal, já estava há mais de duas horas à espera de atendimento. “É difícil, mas fazer o que?”, indaga, afirmando que sempre que vai à UPA se depara com a mesma situação. “Está sempre cheia, lotada e o atendimento é demorado”, falou.
O relógio marcava 16 horas e desde as 10 horas Simevaldo Soares dos Santos aguardava sua esposa sair do local.

“Cheguei de manhã e só duas horas depois é que fomos atendidos. Até agora estou aqui esperando ela sair. A direção do posto deveria atender as pessoas mais rápido”, pediu.

Gerson Mota de Miranda não estava há horas na UPA, como a maioria dos entrevistados. Tinha chegado há cerca de 20 minutos no local, mas também criticou pela demora no atendimento.

“É um tempo curto, mas o estado da pessoa é grave, ela sofre de câncer”, resumiu

O que diz a Organização Social de Saúde

O jornal indagou a Fundação do ABC, que é responsável pela gestão da UPA do Rodeio, sobre as críticas dos usuários e soluções aos problemas apontados.

Em nota, a Organização Social respondeu: “A Fundação do ABC informa que não procedem as informações passadas pela reportagem. Não há absolutamente nenhuma queixa referente às unidades mencionadas nos canais de Ouvidoria e Fale Conosco da FUABC que indiquem os problemas mencionados. Queixas pontuais/individuais com o atendimento não refletem a realidade da assistência global prestada, cujos índices de satisfação estão sempre acima das metas estabelecidas. A Fundação do ABC reitera que seus colaboradores passam por capacitação permanente e que os canais oficiais de atendimento aos usuários são termômetros para a avaliação da qualidade dos serviços prestados e não corroboram com as informações passadas pela reportagem.”

VEJA MAIS:

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade