Câmara de Mogi aprova o Auxílio Emergencial Municipal

Na sessão ordinária desta terça-feira (13), a Câmara Municipal de Mogi das Cruzes votou e aprovou dois projetos de Lei da Prefeitura, previstos na ordem do dia, o 29/021 e o 30/2021 que, respectivamente, concedem auxílio emergencial municipal a empresas contribuintes através no Simples Nacional e a famílias em situação de vulnerabilidade. Ambos projetos visam minimizar os impactos decorrentes da Pandemia de Covid-19.

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

O auxílio destinado às famílias será pago em três parcelas de R$ 100,00

Da Redação / Foto: Divulgação

Na sessão ordinária desta terça-feira (13), a Câmara Municipal de Mogi das Cruzes votou e aprovou dois projetos de Lei da Prefeitura, previstos na ordem do dia, o 29/021 e o 30/2021 que, respectivamente, concedem auxílio emergencial municipal a empresas contribuintes através no Simples Nacional e a famílias em situação de vulnerabilidade. Ambos projetos visam minimizar os impactos decorrentes da Pandemia de Covid-19.

Às empresas, que atenderem os critérios para receber o auxílio, serão concedidos pagamento de R$ 300,00 por CNPJ ou por empregados (limitado a cinco empregados). Para receber o auxílio a empresa deve estar em atividade, ter sido impactada pela pandemia e exercer atividade não essencial. Esse benefício não será concedido aos MEI (Microempreendedores Individuais). Para custear esse auxílio a Prefeitura despenderá de R$ 6.727.200,00.

Durante a sessão, a vereadora Inês Paz (PSOL) apresentou uma emenda modificativa, que visava estender o benefício às pessoas que exercem atividades como MEIs. A emenda, no entanto, foi rejeitada pelo plenário.

Já o auxílio destinado às famílias será pago em três parcelas de R$ 100,00, nos meses de abril, maio e junho. O projeto previa duas parcelas, mas por conta de uma emenda de autoria de todos os vereadores da Casa, foi incluída uma parcela a mais.  Para receber o benefício a família deve estar em situação de vulnerabilidade social, cadastrada no CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal), com renda per capta de até R$ 178,00 mensais.

Esse projeto contou com a aprovação de uma subemenda apresentada pela vereadora Malu Fernandes (SD), que garantiu preferência para mulheres provedoras de família monoparental.

Ainda foram aprovadas outras três emendas modificativas, sugeridas em um parecer conjunto das Comissões de Justiça e Redação, Finanças e Orçamento e de Assistência Social, Cidadania e Direitos Humanos. As emendas garantiram o pagamento de uma parcela adicional do benefício (totalizando três), além da prorrogação do auxílio, caso continue o estado de calamidade pública (dependendo da disponibilidade financeira).

“Gostaria de enaltecer o trabalho dessa Casa. As conversas com a prefeitura, com os líderes da casa, com o presidente Otto Rezende. Enfim, todo esse debate contribuiu para a construção de um projeto melhor”, ressaltou o vereador Marcos Furlan (DEM).

“A maneira como foi conduzido, tanto pela prefeitura quanto pela Câmara Municipal foi bacana. Construímos e quem ganha com isso é a população de Mogi das Cruzes”, pontuou o vereador Francimário Vieira Farofa (PL).

“Gostaria de enaltecer o trabalho da Câmara Municipal que foi fundamental. Nosso trabalho aqui é construir consensos, como foi feito agora, beneficiando as famílias mais vulneráveis da nossa cidade”, afirmou o vereador Zé Luiz (PSDB).

“É muito importante essa união com o Executivo. Espero que em outros projetos que venham também haja essa sensibilidade para que nós possamos participar do projeto”, complementou Edson Santos (PSD).

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp

Uma resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade