Apelo na porta de loja em Mogi ilustra mais uma batalha perdida de uma guerra para vencer

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

Mortes por Covid-19 e hospitais lotados mostram a situação mais crítica que a anunciada pelo prefeito Caio Cunha

Texto e foto / Aristides Barros

Uma caminhada por volta das 13 horas de domingo (21) pela vazia Rua Dr. Deodato Wertheimer, e uma frase numa das lojas de um dos principais corredores do centro comercial da cidade, revela que Mogi das Cruzes sente a falta de ar provocada pela Covid-19, perde a respiração e, com ela, as pessoas continuam morrendo.

Segundo os números de sábado (20), Mogi já contabiliza 804 mortes. São de vidas que não passaram pela doença, desde o início da pandemia que está levando o sistema de saúde pública ao colapso, devido à superlotação das unidades de saúde da cidade.

O momento difícil fez a prefeitura mogiana anunciar sexta-feira (19) que a cidade entra na “fase crítica” a partir de segunda-feira (22), com mais restrições do que a atual emergencial. A medida terá a vigência de 10 dias.

Entre os principais pontos da medida está a restrição da circulação de pessoas durante as 24 horas do dia, a fim de evitar aglomerações em praças, estacionamentos e ruas. A circulação de pessoas será permitida quando necessário para ir à farmácia, hospital e mercado.

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade