A vida “corre” sossegada na região onde Suzano nasceu, dizem moradores de Baruel e Palmeiras

Suzano completa 72 anos de emancipação político-administrativa neste 2 de abril e a reportagem foi no bairro do Baruel, onde “nasceu” a Cidade das Flores – nome alusivo a Suzano devido ao cultivo de flores que regia o comércio da cidade, em seus primórdios. A GAZETA indagou os moradores como é viver e morar na localidade.

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

Algumas localidades do município, embora populosas, ainda mantêm o clima interiorano     

Por Aristides Barros / Fotos: Bruno Arib

Suzano completa 72 anos de emancipação político-https://portalgazetaregional.com.br/wp-content/uploads/2023/06/ed440.pngistrativa neste 2 de abril e a reportagem foi no bairro do Baruel, onde “nasceu” a Cidade das Flores – nome alusivo a Suzano devido ao cultivo de flores que regia o comércio da cidade, em seus primórdios. A GAZETA indagou os moradores como é viver e morar na localidade.

Nascida no bairro pouco anos depois da emancipação, Célia Pedroso de Castro, 58 anos, diz que o lugar é muito tranquilo e agora tem sido melhor cuidado. “A manutenção da praça é realizada com frequência, antes acontecia uma vez por ano”, disse. “O bairro é muito tranquilo, nada de roubos”, afirmou, destacando “índice zero de criminalidade.”

“Mas, o movimento é todo pra lá, açougue, mercado, lojas, o que deveria ter aqui também”, disse, com certo descontentamento. “A igreja não está sendo aberta por causa da pandemia”, revelou, referindo-se ao espaço que deu início a tudo. Suzano começou a existir a partir da construção da igreja no século XVI.

O aposentado Evaldo Cavalcante, 60, que deixou Santo André, região do ABC, para morar no bairro do Baruel, sabe aproveitar o ar interiorano do bairro. “Em Santo André não tinha sossego. Aqui é um lugar muito bom, tem muito verde”, disse, aclimatando o tempo, e completou. “O prefeito tem melhorado muito o bairro e também o Jardim Ikeda e o Nova América”, apontou. “Já conhecia Suzano e logo que sai de Santo André vim direto pra cá. A diferença é enorme, bem mais tranquilo”, arrematou, comparando as duas cidades.

Tranquilidade

Em Palmeiras, distrito suzanense, o comerciante Ranulfo Soares Clemente, 61, arredondou a conversa ao falar sobre a localidade. “O lugar é maravilhoso, é uma beleza. Quem faz o lugar é a gente, se você sabe viver bem, convive com todo mundo”, filosofou.

Indagado sobre o presente que daria a Suzano no aniversário da cidade, ele disse. “O presente é agradecer e desejar que ela continue maravilhosa e que venha mais progresso”, finalizou.

De poucas palavras, a comerciante Amanda Tifani, 23, disse. “Moro há 10 anos em Palmeiras, é excelente. É muito tranquilo, mas tem de melhorar os bairros em torno dela, levar mais melhorias para lá”, resumiu.

A dona de casa Nair de Souza Santos, 74, que mora há 48 anos no distrito, acrescentou: “morar aqui é maravilhoso.” “Nesse pedaço aqui não tem o que falar. A gente dorme com o portão aberto”, também evidenciando a tranquilidade. “Nem eu e nem a minha família temos o que reclamar, só agradecer o que a gente tem e onde a gente mora.”

Periferia

Afastado, mas não muito distante da área central de Suzano, o Jardim Colorado também foi alvo da reportagem. O autônomo Cleber Alves da Cunha, 42, que mora e nasceu no bairro, falou sobre a localidade. “Para mim está bem e tranquilo, melhorou bastante. Mudou muita coisa no bairro”, observou, estendendo que deseja que Suzano ganhe mais melhorias das áreas de saúde e educação.

Rosangela Olerbast Cavalcante, 37, diz que o lugar é tranquilo e sossegado. “Evoluiu bastante”, resumiu, também destacando que o melhor presente para a cidade seria um posto de saúde melhor para o bairro.

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade