Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Estudo aponta dados do Índice Nacional da Construção Civil

Segundo os dados apresentados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional da Construção Civil (SINAPI) teve uma variação de 0,17% em maio de 2024.
Estudo aponta dados do Índice Nacional da Construção Civil
Estudo aponta dados do Índice Nacional da Construção Civil

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

Segundo os dados apresentados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Índice Nacional da Construção Civil (SINAPI) teve uma variação de 0,17% em maio de 2024. Este resultado representa uma queda de 0,24 ponto percentual em relação ao índice de abril, que foi de 0,41%. Nos últimos doze meses, o índice acumulou uma variação de 2,31%, inferior aos 2,51% registrados no mesmo período do ano anterior. Em maio de 2023, a variação foi de 0,36%.

Conforme informado na publicação, o custo nacional da construção por metro quadrado aumentou de R$ 1.736,37 em abril para R$ 1.739,26 em maio. Deste valor, R$ 1.006,80 correspondem aos materiais e R$ 732,46 à mão de obra. A parcela dos materiais apresentou uma taxa negativa de -0,05%, a menor do ano, representando uma queda de 0,16 ponto percentual em relação ao mês anterior (0,11%). Em comparação com maio de 2023 (-0,24%), houve um aumento de 0,19 ponto percentual.

O relatório aponta dados específicos sobre a mão de obra, que registrou uma taxa de 0,46% em maio, apesar dos dissídios coletivos observados. Este valor é inferior ao registrado em abril (0,83%) e também em maio do ano anterior (1,24%), representando quedas de 0,37 e 0,78 pontos percentuais, respectivamente. De janeiro a maio de 2024, os acumulados foram de 0,50% para materiais e 1,68% para mão de obra. Em doze meses, os acumulados ficaram em 0,24% para materiais e 5,31% para mão de obra.

Matheus de Paula, sócio-administrador na Empresa de Trilhos Ferroviários GMS Resíduos, afirmou que conforme os números apresentados, o custo dos materiais de construção registrou uma leve queda de -0,05%, a menor taxa do ano. Isso reflete um ambiente de estabilidade nos preços dos insumos, que pode ser aproveitado para a aquisição de trilhos ferroviários usados ou outros recursos metálicos residuais que podem ser usados no setor da construção civil. Matheus continuou dizendo que entende que o recurso do uso de trilhos usados por exemplo, oferecem uma excelente relação custo-benefício, pois são robustos e duráveis, permitindo sua reutilização em diversas aplicações da construção civil, contribuindo com o meio ambiente realocando dentro do setor recursos reutilizáveis”.

Ainda sobre o assunto, Matheus de Paula afirmou que o relatório também destaca que a mão de obra teve uma taxa de aumento de 0,46% em maio, uma redução em relação ao mês anterior. “Para o futuro, essa tendência de estabilização nos custos da mão de obra pode incentivar ainda mais as empresas de engenharia a investir em materiais alternativos, como os trilhos ferroviários usados. Além de serem uma opção economicamente viável, esses trilhos promovem a sustentabilidade ao reduzir a necessidade de produzir novos materiais, contribuindo para a economia circular”.

Ainda sobre o estudo, que pode ser observado na íntegra através do link informado no início da matéria, a região Norte foi a que registrou a maior variação regional em maio, com um aumento de 0,34%, influenciada por altas em quatro dos seus sete estados. As demais regiões apresentaram os seguintes resultados: 0,30% no Nordeste, 0,06% no Sudeste, -0,03% no Sul e 0,32% no Centro-Oeste. Dentre os estados, o Acre destacou-se com a maior alta, registrando uma variação de 2,16%, seguido por Maranhão (1,88%) e Distrito Federal (1,60%).

O SINAPI, criado em 1969, tem como objetivo fornecer informações sistematizadas sobre custos e índices da construção civil em âmbito nacional, auxiliando na elaboração e avaliação de orçamentos e no acompanhamento de custos.

Perguntado sobre o relatório divulgado, Matheus de Paula afirmou que o cenário atual, conforme apontado pelo estudo, apresenta um momento estratégico para as empresas de engenharia investirem recursos que cuidem do meio ambiente. O exemplo do uso dos trilhos residuais como alternativa não apenas oferece uma redução nos custos imediatos, mas também se alinha com as práticas de sustentabilidade, que são cada vez mais valorizadas no setor da construção civil. “Olhando para o futuro, a tendência é que o uso de materiais reciclados e reutilizados, como os trilhos ferroviários, se torne uma prática comum e essencial para o desenvolvimento sustentável das cidades e da infraestrutura nacional”.

Para saber mais, acesse: https://www.linkedin.com/company/gms-residuos/

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp
dino
Reportagens - 6744
Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade