Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Estudo aponta dados sobre confiança na construção

De acordo com o relatório, o Índice de Confiança da Construção (ICST) manteve-se estável em 96,4 pontos no mês de junho de 2024.
Estudo aponta dados sobre confiança na construção
Estudo aponta dados sobre confiança na construção

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

Segundo os dados apresentados sobre a Confiança na Construção do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV IBRE), o Índice de Confiança da Construção (ICST) manteve-se estável em 96,4 pontos no mês de junho de 2024. De acordo com a publicação, a média móvel trimestral também registrou estabilidade, com uma variação de apenas -0,1 ponto.

Conforme informado no estudo, a estabilidade do ICST foi resultado das variações opostas de seus subíndices. O Índice de Situação Atual (ISA-CST) apresentou uma leve alta de 0,2 ponto, alcançando 95,5 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE-CST) teve uma queda de 0,3 ponto, fechando o mês em 97,5 pontos. A análise detalhada revelou que a percepção das empresas sobre a situação atual dos negócios recuou 0,7 ponto, para 94,2 pontos, enquanto o volume de carteira de contratos avançou 1,2 ponto, chegando a 96,8 pontos.

O relatório aponta dados indicando que, pela ótica das expectativas, a retração do IE-CST foi influenciada principalmente pela queda no indicador de tendência dos negócios para os próximos seis meses, que caiu 2,1 pontos, situando-se em 94,7 pontos. Em contrapartida, o indicador de demanda prevista para os próximos três meses subiu 1,6 ponto, atingindo 100,3 pontos. Esses movimentos refletem a incerteza quanto ao futuro próximo, mesmo em um cenário de relativa estabilidade atual.

O Nível de Utilização da Capacidade (NUCI) da Construção variou 0,2 ponto percentual, fixando-se em 80,1%. O NUCI de Mão de Obra manteve-se relativamente estável, com uma variação de 0,3 ponto percentual, alcançando 81,5%, enquanto o NUCI de Máquinas e Equipamentos retraiu 0,9 ponto percentual, registrando 74,4%. Esses indicadores destacam a capacidade ociosa ainda presente no setor, especialmente no que tange ao uso de máquinas e equipamentos.

José Antônio Valente, diretor da empresa de aluguel de ferramentas Trans Obra, afirmou que olhando para o futuro, é essencial que as empresas de locação de equipamentos se mantenham ágeis e informadas sobre as tendências do mercado. A estabilidade observada no ICST oferece uma base sólida para planejar investimentos em novos equipamentos, mas a incerteza nas expectativas sugere que esses investimentos devem ser feitos com cautela e adaptabilidade. “A capacidade de responder rapidamente às mudanças de demanda e manter uma operação eficiente será crucial para navegar com sucesso no ambiente de construção civil nos próximos meses”.

O relatório também destaca que a falta de mão de obra qualificada permanece como a principal limitação para os negócios das empresas da construção, com 28,8% das empresas assinalando este fator. A demanda insuficiente, que outrora liderava o ranking de limitações, agora representa uma preocupação para 22,7% das empresas. Este dado é reflexo do aumento do ritmo da atividade no setor, que também pressiona os custos de obras.

Perguntado sobre o assunto, José Antônio afirmou que em um cenário de falta de mão de obra qualificada, que lidera o ranking das limitações desde dezembro do ano passado, a automação e a modernização dos equipamentos de construção tornam-se cada vez mais relevantes. Isso sempre é tratado como prioridade na unidade da empresa locadora de equipamentos em São Paulo. “Investir em máquinas e tecnologias avançadas pode não apenas mitigar a escassez de trabalhadores qualificados, mas também aumentar a produtividade e a qualidade dos projetos”.

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp
daredacao
Reportagens - 11778
Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade