Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Grande marcas apresentam os desafios da integração unificada

Como grandes marcas e ecossistemas alinham histórias e valores diversos em uma identidade unificada
Grande marcas apresentam os desafios da integração unificada
Grande marcas apresentam os desafios da integração unificada

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

O início de 2024 foi marcado por mais de 80 operações de fusões e aquisições no Brasil e, segundo relatório da PwC Brasil, a tendência é de crescimento nos próximos meses. Com a alta das fusões e aquisições no país, unificar a cultura organizacional em holdings e grandes ecossistemas se transforma em um desafio complexo. Cada empresa carrega sua própria história e identidade cultural, que não podem ser ignoradas no processo. A necessidade de harmonizar essas culturas sem comprometer a individualidade de cada marca é uma tarefa árdua, mas essencial para o sucesso consolidado do grupo.

Um dos maiores desafios é a diversidade de culturas existentes. Integrar hábitos e comportamentos de empresas adquiridas exige um diagnóstico cuidadoso das práticas e valores de cada uma delas, para garantir que todas as vozes sejam ouvidas e respeitadas. Outro obstáculo encontrado é a resistência à mudança do ser humano, pessoas podem se sentir ameaçadas pelo novo e por medo da perda de identidade organizacional, para evitar isso é fundamental uma comunicação clara e transparente sobre os benefícios de uma cultura forte e consolidada. A inclusão de todos os níveis da organização no processo de mudança, pode ajudar a criar um senso de propriedade e compromisso com a nova cultura. Segundo um estudo da McKinsey & Company revelou que 70% das iniciativas de transformação cultural falham devido à resistência dos funcionários e à falta de suporte da liderança, evidenciando a importância de uma abordagem estratégica e bem planejada para a unificação cultural em uma holding.

Para Renata Esteves, Diretora de Gente e Gestão da BeFly, ecossistema de negócios focado em turismo da América Latina, para que a integração seja bem sucedida, é necessário, em primeiro lugar, respeitar a história de cada empresa. “Começamos conversando e entrevistando nossos colaboradores e lideranças, para resgatar a história e o DNA de cada marca, o que nos permitiu enxergar os pontos de convergência e os objetivos em comum, que formam a base da nova cultura organizacional BeFly”, explica. A holding é composta por 38 marcas em seu ecossistema, fundada em 2021 a partir da aliança entre duas marcas conhecidas do mercado: Belvitur e Flytour.

Em vez de forçar uma mudança drástica, a equipe de Gente e Gestão e Comunicação da BeFly procurou celebrar a diversidade das marcas, permitindo que cada uma mantivesse elementos de sua história única dentro da nova estratégia cultural. Ao colocar as pessoas no centro de seu planejamento, o grupo conseguiu transmitir o propósito em comum de criar caminhos além do imaginável, com a ambição de ser o ecossistema de turismo mais transformador, melhorando a experiência de cada pessoa. Com base nos valores gente do bem, ousadia inovadora, inteligência prática e o extraordinário, a marca promove um ambiente de trabalho acolhedor, colaborativo e movido por entregas simples e excepcionais, representando e unificando todas as suas marcas em uma nova identidade.

“Criar uma cultura organizacional unificada é um processo complexo que exige planejamento meticuloso, comunicação eficaz e uma abordagem inclusiva. Mas, apesar dos desafios, com estratégias bem definidas e uma abordagem colaborativa, é possível construir uma cultura forte e eficiente, impulsionando seu sucesso a longo prazo”, finaliza Esteves.

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp
dino
Reportagens - 6584
Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade