Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Estudo aponta dados sobre setor imobiliário no Brasil

O Relatório Setorial Imobiliário publicado pelo Banco do Brasil apontou que no mês de maio de 2024 houve uma leve recuperação para o setor de construção civil no Brasil.
Estudo aponta dados sobre setor imobiliário no Brasil
Estudo aponta dados sobre setor imobiliário no Brasil

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

O Relatório Setorial Imobiliário publicado pelo Banco do Brasil apontou que no mês de maio de 2024 houve uma leve recuperação para o setor de construção civil no Brasil. Segundo os dados apresentados no relatório da BB Investimentos, o índice imobiliário (IMOB) registrou uma baixa de 0,73%, comparado a um recuo de 3,04% do Ibovespa, principal índice de ações da bolsa brasileira. Este desempenho do IMOB, segundo a publicação, é reflexo de fatores macroeconômicos, incluindo a abertura da curva de juros no mercado doméstico e a desvalorização cambial, com o dólar encerrando o mês a R$ 5,25.

Conforme informado na publicação, os resultados do primeiro trimestre de 2024 trouxeram números positivos para algumas das principais empresas do setor. A Tenda (TEND3) registrou seu primeiro lucro trimestral desde o terceiro trimestre de 2021, impulsionada pela forte evolução nos lançamentos e controle de custos. A Direcional (DIRR3) atingiu novos recordes em vendas, receitas e lucro líquido, refletindo uma estratégia bem-sucedida de expansão.

Entre as empresas com resultados informados no estudo, a Cyrela (CYRE3) reportou uma velocidade de vendas superior a 50%, ultrapassando os R$ 7 bilhões em receitas a apropriar, resultado de uma excelente aceitação dos seus lançamentos recentes. O relatório ainda informou que a MRV (MRVE3), apesar de ainda enfrentar desafios em sua operação internacional, mostrou melhorias na geração de caixa. Já a JHSF (JHSF3), conforme informado no relatório, apontou crescimento contínuo em suas linhas de negócios recorrentes, especialmente após realocar cerca de R$ 800 milhões de VGV para o segmento de Locação Residencial.

Relatório aponta dados de confiança na construção civil com indicadores mistos. O Índice de Confiança da Construção (ICST), medido pelo FGV Ibre, subiu para 96,8 pontos em maio, interrompendo uma sequência de quedas. No entanto, o Nível de Utilização da Capacidade da Construção permaneceu estável em 79,9%, indicando uma leve retração na mão de obra, compensada pelo aumento na utilização de máquinas e equipamentos.

José Antônio Valente, diretor da empresa locadora de equipamentos Trans Obra, afirmou que para o mercado de locação de equipamentos, essa recuperação no setor de construção civil representa uma oportunidade significativa. A estabilidade no Nível de Utilização da Capacidade da Construção em 79,9%, juntamente com o aumento na utilização de máquinas e equipamentos, indica uma demanda crescente por equipamentos de construção. “As empresas do setor imobiliário estão se preparando para intensificar suas operações, o que requer um maior uso de equipamentos modernos e eficientes”.

No mercado de crédito, o relatório informou que o Banco Central (Bacen) reportou direções mistas para as taxas de juros de financiamentos imobiliários em abril. Enquanto a taxa de Pessoa Física (PF) avançou para 9,3%, a taxa de Pessoa Jurídica (PJ) recuou para 9,8%, o menor patamar desde fevereiro de 2022. O estudo ainda apontou que a inadimplência manteve-se estável para PF em 1,5%, e caiu para PJ em 0,9%, indicando uma leve melhora nas condições de crédito para as empresas.

O relatório setorial também destaca que o INCC-M, índice nacional de custos da construção, subiu 0,59% em maio, acumulando 3,68% em 12 meses. Esse aumento foi impulsionado principalmente pelos preços da mão de obra, que acumulam alta de 7,13% no ano. Em contrapartida, os preços de materiais continuam a arrefecer, com um aumento de apenas 1,09% em 12 meses.

Perguntado sobre o assunto, José Antônio afirmou que vê um cenário onde a inovação tecnológica e a eficiência operacional serão cruciais. A locação de equipamentos modernos, que incorporam tecnologias de ponta, permitirá às empresas de construção civil manterem a competitividade e a produtividade e é dessa forma que é realizado todo planejamento estratégico na unidade da empresa de locação de equipamentos em Prado Velho, Curitiba. “Equipamentos com maior eficiência energética, conectividade e automação serão cada vez mais demandados, refletindo uma busca por redução de custos e aumento da sustentabilidade nas operações”.

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp
daredacao
Reportagens - 11773
Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade