Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Ouribank fala sobre Hedge em momentos de oscilação cambial

Especialista em Câmbio do Ouribank aponta para importância de estratégia de proteção financeira para enfrentar flutuações da taxa de câmbio.
Ouribank fala sobre Hedge em momentos de oscilação cambial
Ouribank fala sobre Hedge em momentos de oscilação cambial

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

Em um cenário econômico global caracterizado por frequentes oscilações cambiais, empresas importadoras e exportadoras enfrentam desafios significativos para manter a estabilidade financeira e a competitividade no mercado. As flutuações do câmbio têm impacto nos custos de importação, afetando diretamente a margem de lucro das empresas.  

A falta de proteção adequada pode resultar em prejuízos consideráveis, especialmente para as importadoras de menor porte, que possuem capacidade limitada para absorver perdas financeiras.

A magnitude do problema pode ser ilustrada por meio de uma simulação realizada pelo Ouribank: uma empresa importadora negociou uma compra no valor de US$ 100.000 no início deste ano para pagar em junho de 2024. Em janeiro, a cotação média do dólar era de R$ 4,90, com a conversão totalizando R$ 490.000. Já em junho, data do pagamento, o dólar subiu para R$ 5,35, elevando o valor para R$ 535.000. Se a empresa não se protegeu, enfrentou um gasto 9,2% maior do que havia projetado anteriormente. 

Segundo Raphael Coracini, Gerente de Mesa de Câmbio e Derivativos do Ouribank, boa parte das empresas brasileiras de pequeno e médio portes, no entanto, não utiliza os mecanismos de proteção existentes no mercado, como as travas cambiais, para negócios realizados em moeda estrangeira. Isso porque muitos empresários desconhecem o que é hedge e têm receio de perder recursos, quando, na verdade, os instrumentos existem para evitar perdas. 

“O hedge é uma estratégia financeira que permite às empresas fixar uma taxa de câmbio para suas transações futuras, protegendo-as das flutuações cambiais. E esse instrumento não está restrito apenas a companhias de grande porte. Pequenas e médias empresas também podem se beneficiar enormemente dessa prática, garantindo uma gestão mais eficiente e segura de seus recursos. Para as importadoras menores, a implementação de hedge é vital para estabilizar os custos e planejar com mais precisão suas operações financeiras,” explica Coracini. 

Benefícios do hedge 

Previsibilidade de custos: Com o hedge, as empresas conseguem prever com maior precisão os custos de importação, o que facilita a gestão do fluxo de caixa e o planejamento orçamentário. 

Mitigação de riscos: Ao proteger-se contra variações cambiais, as importadoras reduzem o risco de perdas financeiras, mantendo a estabilidade de suas operações. 

Competitividade: Empresas que utilizam hedge podem oferecer preços mais estáveis e competitivos no mercado, aumentando a confiança dos clientes e parceiros comerciais. 

Planejamento estratégico: A previsibilidade proporcionada pelo hedge permite um planejamento estratégico mais eficiente, possibilitando investimentos e expansões com maior segurança. 

“A adoção de estratégias de hedge é essencial para enfrentar as variações cambiais e assegurar a sustentabilidade financeira do negócio. Investir em proteção cambial também fortalece a posição da empresa no mercado, criando um ambiente mais seguro para o crescimento e a expansão dos negócios”, completa Coracini. 

Opções e estratégias 

Existem várias opções de hedge que as empresas podem utilizar, incluindo contratos a termo (trava de câmbio), contratos de diferença (NDF) e opções de câmbio. Segundo o especialista, a escolha da melhor estratégia de hedge depende de diversos fatores, como a natureza da exposição cambial, o horizonte temporal da transação e a tolerância ao risco da empresa. 

Trava de câmbio: Semelhante à operação de câmbio padrão, mas com liquidação em uma data futura específica. Esse método requer a apresentação de documentação que comprove a transação de importação e permite à empresa fixar a taxa de câmbio para uma data futura. 

Contratos de diferença (NDF): Uma operação de derivativo que não exige a apresentação de documentos de câmbio no momento da contratação. Ideal para empresas que ainda não tem a data de pagamento exata, pois nessa modalidade é possível realizar a liquidação da operação previamente. O NDF oferece proteção contra a variação cambial, compensando a diferença entre a taxa de contratação e a taxa de vencimento. 

Opções de câmbio: Permitem à empresa comprar o direito de trocar moeda a uma taxa específica, oferecendo flexibilidade para se beneficiar de quedas na taxa de câmbio enquanto ainda se protege contra aumentos desfavoráveis. 

“Para escolher a melhor estratégia, é essencial realizar uma análise detalhada da exposição cambial e dos objetivos financeiros da empresa. Consultar especialistas financeiros pode ajudar a identificar a combinação ideal de instrumentos de hedge, garantindo uma proteção eficaz e eficiente”, conclui Coracini. 

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp
daredacao
Reportagens - 11773
Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade