Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Inovações na construção civil apontam para um futuro sustentável

Construção a seco e o Steel Frame são exemplos de economia e sustentabilidade, já que reduzem a emissão de gases poluentes e agressivos ao meio ambiente.
Inovações na construção civil apontam para um futuro sustentável
Inovações na construção civil apontam para um futuro sustentável

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

Segundo o Conselho Internacional da Construção (CIB), os setores de construção civil e habitação são os que mais consomem recursos naturais. Estima-se que as porcentagens chegam a 40% do consumo de energia, 30% de produção de resíduos e 30% de emissões globais de gases com efeito estufa.

Especialistas destacam que a eficiência energética na construção civil se torna um pilar fundamental na luta contra as alterações climáticas.

“A adoção de práticas que reduzam o consumo de energia é essencial para mitigar os impactos ambientais e promover o desenvolvimento sustentável do planeta. Portanto, é preciso melhorar o consumo de energia neste setor”, comenta André Rossi, gerente de desenvolvimento e novos negócios da Barbieri do Brasil.

O executivo explica que a eficiência energética na construção civil passa pela otimização da utilização de recursos em todas as fases do processo construtivo, que vai desde a concepção até a operação e manutenção das obras, incluindo a implementação de tecnologias inovadoras, melhorias nos padrões de construção, o uso de materiais sustentáveis e a adoção de práticas que reduzam o consumo de energia e as emissões de carbono. “Os edifícios são responsáveis ​​pela emissão abundante de gases com efeito de estufa. Isto se deve ao consumo de energia para aquecimento, resfriamento, iluminação e outros serviços. Um dos principais benefícios da implementação de estratégias de eficiência energética na construção é a redução deste consumo. Ao melhorar esta questão nos edifícios, a emissão de carbono pode ser consideravelmente reduzida, contribuindo assim para a mitigação das alterações climáticas”, ressalta.

Ainda de acordo com Rossi, geralmente, os materiais de construção úmidos também são prejudiciais ao meio ambiente, porque durante a fabricação utilizam um excesso de energia que, em muitos países do mundo, como a Argentina, é gerada principalmente em usinas termelétricas que queimam combustíveis fósseis. No entanto, o executivo afirma que o Steel Frame, um sistema à seco que utiliza estruturas de perfis de aço galvanizado, ao invés de cimento e tijolos, é uma alternativa eficaz para mudar este cenário. “Este sistema utiliza materiais isolantes térmicos no interior da estrutura que reduzem as perdas de energia e a necessidade de condicionar excessiva e artificialmente a casa, representando uma redução significativa nas emissões de carbono”, complementa.

Além disso, é comprovado que a diminuição do carbono e a melhoria da eficiência energética não são os únicos benefícios do Steel Frame, pois ele também representa uma redução de custos operacionais para os proprietários e usuários das edificações. Como resultado, inúmeros fabricantes de materiais para construção a seco estabeleceram compromissos para reduzir as suas emissões até 2030 e, em alguns casos, para chegar a zero até 2050.

Neste ponto, Rossi comenta que a Argentina assumiu importantes responsabilidades em termos de eficiência energética e alterações climáticas. Como signatário do Acordo de Paris, o país comprometeu-se a reduzir as suas emissões de gases com efeito de estufa e a trabalhar em prol de um desenvolvimento mais sustentável.

“Na Argentina, serão implementadas uma série de políticas e programas destinados a promover a eficiência energética no setor da construção. Isto inclui a atualização de regulamentos e normas para melhorar a eficiência energética dos edifícios, como a implementação de rotulagem nas habitações, por meio de leis, como a Lei 13.093 de Santa Fé, já regulamentada. Outras províncias como Entre Ríos, Río Negro, Mendoza e Tucumán também possuem regulamentações semelhantes”, explica o executivo.

Vale destacar que essas regulamentações determinam incentivos fiscais e financeiros à medida que aumenta a letra do rótulo, entre outras ações. No caso específico da Lei 13.093, o estado provincial é obrigado a construir todas as casas financiadas com recursos públicos com rótulo C, pelo menos a partir de 2027.

“Seguindo as recomendações destes projetos, acreditamos efetivamente que a eficiência energética na construção é essencial para avançarmos em direção a um futuro sustentável. Por isso, na Barbieri, seguimos as recomendações destes projetos. Conscientes dos desafios das alterações climáticas, trabalhamos ativamente para promover práticas mais sustentáveis ​​como a construção a seco e o Steel Frame, e assim reduzir as emissões de carbono no setor”, finaliza Rossi.

Sobre a Barbieri do Brasil

A Barbieri do Brasil nasceu em 2010 como empresa 100% brasileira, mas contando com a experiência da Barbieri Argentina,  empresa de família fundada em 1953, fabricante de produtos para o mercado da construção a seco. Barbieri do Brasil é uma indústria dedicada à fabricação de perfis de aço galvanizado para drywall, perfis de aço galvanizado estrutural para light steel framing, possuindo tecnologia internacional atingindo todo o território brasileiro. 

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp
dino
Reportagens - 6293
Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade