Search
Close this search box.
Search
Close this search box.

Aumento das doenças respiratórias preocupam médicos

O aumento das doenças respiratórias é uma preocupação crescente com a chegada de junho de 2024. Mudanças sazonais, como a maior concentração de poeira e poluentes, intensificam crises de rinite, sinusite e asma. Além disso, a pandemia trouxe desafios adicionais na diferenciação dos sintomas respiratórios. Medidas preventivas, incluindo a vacinação, são essenciais para mitigar os agravos.
Aumento das doenças respiratórias preocupam médicos
Aumento das doenças respiratórias preocupam médicos

Receba as novidades direto no seu smartphone!

Entre no nosso grupo do Whatsapp e fique sempre atualizado.

Com a aproximação de junho de 2024, médicos e especialistas estão em alerta para o aumento das doenças respiratórias. Este fenômeno, recorrente anualmente, é exacerbado pela maior concentração de poeira e poluentes no ar, contribuindo para uma série de crises alérgicas e inflamatórias. 

A pandemia de Covid-19 trouxe desafios adicionais ao diagnóstico de doenças respiratórias. Apesar da incidência do coronavírus ter diminuído, seus sintomas ainda podem se confundir com outras doenças respiratórias. Portanto, a diferenciação entre resfriados, gripe e Covid-19 continua essencial para um tratamento adequado.

A rinite, uma inflamação alérgica que afeta principalmente o nariz, juntamente com a asma, uma doença inflamatória crônica que compromete o sistema respiratório, são as principais causas de preocupação. Além dessas, a faringite e a sinusite são infecções que podem ser causadas tanto por vírus quanto por bactérias. “O que difere essas doenças é que a rinite é uma inflamação de crises alérgicas e que acomete o nariz. Já a asma ataca especialmente os brônquios,” explica Adiel Fares CEO do Grupo Fares.

Segundo dados da Secretaria de Saúde, as doenças respiratórias são uma preocupação constante e tendem a se agravar nos meses mais frios. Entre dezembro de 2023 e abril de 2024, foram registradas 1.885 ocorrências de síndromes respiratórias agudas graves. Esses números refletem a maior proliferação de vírus durante o outono e inverno, comprometendo a capacidade hospitalar. A oferta de leitos de UTI está em níveis críticos, com apenas 24 leitos disponíveis de um total de 598.

Além da vacinação, outras medidas preventivas são recomendadas, como evitar tocar o rosto com as mãos não lavadas, proteger a face ao espirrar e manter as mãos sempre limpas. Nos meses mais frios, há uma tendência de buscar ambientes fechados e menos ventilados, o que facilita a propagação de vírus. Evitar aglomerações e contato com pessoas gripadas são atitudes prudentes nesse período.

Para o futuro, a prevenção permanece a melhor estratégia. É crucial que a população esteja consciente das medidas de higiene e vacinação para enfrentar o aumento das doenças respiratórias nos próximos meses.

Compartilhe com Todos!
Facebook
WhatsApp
dino
Reportagens - 6744
Fique Informado!

Siga a Gazeta

Leia Também

Publicidade